Compartilhe

Teve início na manhã de hoje, quinta-feira, 29, a Plenária Nacional do Fórum Nacional Popular de Educação (FNPE), com o tema Educação se constrói com democracia, em Brasília. O encontro, com participantes de todas as regiões do país, foi aberto pela coordenadora da Secretaria de Assuntos Educacionais, Adércia Bezerra Hostin dos Santos. Ela destacou que o Fórum é “um espaço democrático, inclusivo e de defesa da educação pública em nosso país. Realizaremos dois dias de debates e troca de experiências sobre a educação brasileira”.

Madalena Guasco Peixoto, coordenadora da Secretaria Geral da Contee, comandou a primeira mesa de debate, sobre conjutura política, econômica e educacional. Selma Rocha, da Escola Nacional de Formação do Partido dos Trabalhadores (ENFPT), conclamou ao “enfrentamento e denúncia da violência contra os professores. Temos que nos reunir com a comunidade e esclarecer o papel do professor. Os conselhos, fóruns e secretarias de Educação são instrumentos mais do que suficientes para enfrentar possíveis problemas nas escolas. Está se criando o discurso de que professores devem ser vigiados e denunciados. Vivemos a estruturação da violência como uma realidade do país”.

André Luís dos Santos, assessor parlamentar do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap) falou do resultado eleitoral e da nova composição do congresso, com 30 partidos com representação na Câmara dos Deputados e 22 no Senado, “o que traz dificuldade de negociação para o governo. São 33 sindicalistas na Câmara e cinco no Senado”.

Helena Costa Lopes de Freitas, da Universidade de Campinas (Unicamp), lembrou que o movimento Escola Sem Partido foi criado em 2004 “e vem avançando com força com o pensamento da nova direita e da extrema direita. O golpe que colocou Temer na Presidência da República provocou alterações no Conselho Nacional de Educação para ter o controle da política educacional. Busca agora, com a eleição de Bolsonaro, o controle da base docente e do trabalho pedagógico, comprometendo a própria existencia da profissão do magistério. Pretende a terceirização de todas as dimensões da atividade humana. Promove uma ofensiva contra os sindicatos, para impedir a mobilização dos trabalhadores em defesa dos direitos trabalhistas e sociais. Incita ao aumento da violência, inclusive com a criminalização da infância, reduzindo a idade penal”.

Heleno Araújo Filho, da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), ressaltou a importância de, na atual quadra, realizar “estudos, debates e ter muita paciência histórica. O projeto conservador de direita foi legitimado pelas urnas. Precisamos ver como tratar o debate de ideias no FNPE, ver de que forma o FNPE vai contribuir com os fóruns estaduais e municipais para a implementação das nossas propostas”.

Tino Lourenço, da Central Única dos Trabalhadores (CUT), disse que a “eleição ocorreu num estado de exceção. Foi infestada por fakes desqualificantes e desqualificados. Necessitamos de um processo de comunicação que massifique as informações”. Defendeu a continuidade e aprofundamento da campanha pela liberdade do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva.

Encerrando os trabalhos da manhã, Madalena afirmou que o golpe que depôs Dilma Rousseff e impediu a candidatura Lula “propiciou a eleição de Bolsonaro, da agenda neoliberal. Temos que ampliar este fórum para transformar-se de fato em um instrumento de luta e enfrentamento do neoliberalismo. Temos que chamar o campo democrático para integrá-lo. Precisamos fortalecer os fóruns municipais e estaduais que devem ser a base de nossa atuação. A privatização, inclusive da educação, está sendo feita com conteúdo ideológico, neoliberal. A educação é uma pauta estratégica para a formação de direita. Os neoliberais vão fazer uma pauta propositiva de direita. Temos a necessidade de construir um fórum da educação e da cultura para enfrentar o neoliberalismo”.

O FNPE tem como tarefa pressionar o governo federal e fazer valer a implementação dos planos nacional, estaduais, distrital e municipais de educação. A Plenária discutiu, na tarde de quinta, a escola com mordaça, reforma do ensino médio, educação à distância, ensino domiciliar, militarização e as múltiplas agendas voltadas à destruição da educação básica. O encontro termina na tarde desta sexta-feira, 30.

Carlos Pompe

Fonte: site Contee

X .Brasil - BRASIL .Reuniões Conape - REUNIOES-CONAPE Acre - AC Alagoas - AL Amapá - AP Amazonas - AM Bahia - BA Ceará - CE Distrito Federal - DF Espírito Santo - ES Goiás - GO Maranhão - MA Mato Grosso - MT Mato Grosso do Sul - MS Minas Gerais - MG Pará - PA Paraíba - PB Paraná - PR Pernambuco - PE Piauí - PI Rio de Janeiro - RJ Rio Grande do Norte - RN Rio Grande do Sul - RS Rondônia - RO Roraima - RR Santa Catarina - SC São Paulo - SP Sergipe - SE Tocantins - TO
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support