Compartilhe

Em defesa da educação pública e contra a destruição da aposentadoria, a CNTE está promovendo a Jornada Nacional de lutas rumo à paralisação no dia 13 de agosto. Docentes e técnicos administrativos das federais e professores da CNTE estão mobilizados e já tem atos diários para fortalecer marchas municipais. Acesse a programação da jornada

A paralisação do dia 13 de agosto ganha mais força e adesões cada vez que o governo de Jair Bolsonaro (PSL) anuncia uma nova medida contra educação pública e os direitos da classe trabalhadora. O Ministério da Educação e Cultura (MEC) anunciou no último dia 17 de julho o programa Future-se, que planeja privatizar todo ensino universitário, e a Câmara dos Deputados aprovou em primeira votação a reforma da Previdência.

No último fim de semana, as entidades sindicais, que representam docentes e técnicos administrativos das universidades e instituições federais publicaram manifestos, matérias e fizeram programas ao vivo na internet explicando a medida na área da educação.

Mesmo com as mudanças na PEC 006/2019, da reforma da Previdência, ainda há pontos cruéis para a classe trabalhadora. As entidades sindicais dos docentes e técnicos administrativos do país também farão mobilizações e greves contra a reforma da Previdência.

Segundo o presidente da CNTE, Heleno Araújo, é preciso manter as mobilizações contra o desmonte da previdência pública, junto com a luta pela educação pública e de qualidade. “O dia 13 terá marchas nos municípios também para denunciar e lutar contra o desmonte da aposentadoria. Para derrotar a proposta, tanto no segundo turno na Câmara quanto no Senado. É preciso ir aos redutos dos parlamentares e cobrar voto favorável aos trabalhadores”, afirmou Heleno.

Com informações da CUT e CNTE

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support