Compartilhe

A Internacional de Serviços Públicos, confederação sindical internacional que está organizada em 163 países e representa 20 milhões de trabalhadoras e trabalhadores que prestam serviços essenciais à população, vem expressar seu apoio e participação, por meio de suas afiliadas, na Greve Nacional da Educação convocada para o dia 15 de maio de 2019.

A Greve Nacional da Educação, que acontecerá em todas as regiões do Brasil, é um movimento nascido da mobilização de estudantes, professor@s e trabalhador@s, em especial das universidades públicas, em defesa dos princípios de autonomia nacional e desenvolvimento cultural, científico e econômico do povo.

A Greve também parte da ideia de que as políticas públicas e os trabalhadores e trabalhadores responsáveis pela entrega dos serviços delas decorrentes à população são indispensáveis para a construção de justiça social, democracia, e desenvolvimento social e econômico – portanto, o corte das verbas para o setor terá um nefasto impacto no futuro do nosso país.

Essa mobilização traz consigo outra faceta que merece atenção. A Greve Nacional da Educação extravasa limites partidários e sindicais e já acumula o engajamento de diferentes tendências políticas, despertando o desejo de liberdade e contestação que em diversas ocasiões, na história do mundo, provou ser germe de movimentos que recolocaram no centro das atenções a solidariedade e autoafirmação dos povos.

Em menos de uma quinzena desde que a convocação da greve veio a público, diversos segmentos organizados da sociedade manifestaram a convicção de aderir. O que os move é a disposição de luta contra a escalada da tirania, da perseguição aos pobres e de uma política premeditada de desmonte de políticas sociais que objetiva forçar o Brasil a ocupar uma posição de subserviência no cenário internacional. Eis outro motivo indiscutível para o nosso apoio e participação ativa na mobilização.

À partir de uma luta contra ataques coordenados pelo atual governo à educação em geral, e à educação pública em especial, traduzidos mais recentemente nos cortes abruptos e profundos de verbas para as universidades públicas, a Greve Nacional da Educação vai se firmando desde já como um grito popular contra a negação dos direitos humanos e sociais empreendida pelo governo Bolsonaro.

Nesse quadro de resistência insere-se a luta contra o desmonte da Seguridade Social, adotado por este governo como prioridade, com vistas à destruição de direitos e à privatização da Previdência Social e que culminará na Greve Geral do dia 14 de junho.

Jocelio Drummond
Secretário Regional das Américas

Denise Motta Dau
Secretária Subregional do Brasil

São Paulo, 14 de maio de 2019.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support